sábado, 8 de janeiro de 2011

No fim, tua alma me notou!



Todos os dias eu fazia o mesmo percurso: descia as escadas do metrô, me posicionava ao lado do relógio de parede, justamente entre os bancos de madeira brilhante (nunca havia visto madeira tão reluzente quanto aquela dos bancos, creio que por isso ficava entre eles, me causavam inveja). Fico sempre atento a cada passo de cada pessoa, é incrível como elas me encantam, especialmente as que tem a luz cor de salmão em volta do corpo. 21:00, era a minha hora, então a porta se abria. Uma onda de pessoas se atropelavam diante de mim, então eu iniciava a minha corrida contra elas até conseguir entrar no trem e me escorar, sempre no mesmo banco.
Neste decorrido dia senti algo diferente no espaço, olhei, procurei, vasculhei com um olhar por todo meu campo de visão, até que encontrei, no final da sequência de bancos, bem no fundo, justamente na parte menos provida de claridade havia uma luz, uma luz que não era como as outras, não era cor de salmão, ela era cinza, mas brilhava tanto ou até mais que as outras. Juntei minhas pálpebras com força, mas não deu outra, aquela parte rara e maquiavélica me cativava naquela imensa escuridão. Tal visão inexplicável fez com que eu me apaixonasse por aquela desconhecida, desconhecida que ria e gargalhava sem pausa.
Daquele dia em diante não parei de observá-la.
Era preciso um choque de realidade em mim, a garota da luz cinza não me via, sequer me notava ali, quando digo isso não me refiro a situações de moços apaixonados que fazem um drama por não terem a atenção da pessoa amada, ela não me via mesmo, ninguém me via, o problema é que eu descobri isso da pior maneira possível, que foi quando por sorte encontrei-a sozinha e sentei ao seu lado, ela ficou em silêncio, sua luz me queimava os olhos, a sua áurea era tão intensa e ao mesmo tempo tão aguada que me deixava boquiaberto.
Agora eu sabia, não estava mais entre eles, eu era uma alma que vagava.
Dias, semanas, meses .. Parando para contar acho que minha relação com aquela desconhecida da luz cinza (que não era desconhecida como eu imaginava) iria completar 7 meses.
Pouco antes dos 7 meses eu fiz meu percurso normalmente, como há tempos fazia: entrei no metrô, 21:00, onda de pessoas, corrida contras elas, entrei no trem. Me dirigi ruma ao lugar de sempre e me sentei, deveria estar louco, pois via a moça e como sempre ela me alucinava, mas ao seu redor não havia luz alguma, nem cinza como apenas a dela era, nem salmão como a das outras pessoas que estavam ali, só que algo nela ainda me encantava. De repente ela se dirigiu a mim dizendo:
Boa noite, pode me ajudar?
Oi, boa noite  [eu estava com cara de assustado e minhas bochechas queimavam, eu podia sentir]! Claro que posso, em que?
Não sei o que houve, mas que bom que você pode me ver e me ouvir, acho que ninguém mais consegui. Por favor, me diga que você também vê a luz cor de salmão em volta dessas pessoas?


18 comentários:

  1. O tema central foi sugerido por Flávio Mendonça (namorado): " O homem que enxergava além da face ", que permitiu que eu criasse um dos meus humildes contos com base nele. rs

    Obrigada :*

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo amor, como todos os seus outros contos. Parabéns :)

    ResponderExcluir
  3. Deinha, surpreendente. Não sei como expressar a sensação que tive ao ler seu conto. Uma leveza, uma suave alegria. Não sei.
    Enfim, lindo conto!

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo Deia, gostei bastante deste conto.

    ResponderExcluir
  5. Fez-me lembrar do vídeo "Achmed, the dead terrorist" rsrs
    - You're death.
    - No, i'm not!

    ResponderExcluir
  6. lindíssimo texto, me surpreendi. =)))
    gosto mto do que vc escreve.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  7. gostaria de fugir do típico elogio: "muito lindo!", mas isso sou como quase que inevitável! profundo, mas ao mesmo tempo leve e gostoso de ler. E me identifiquei muito... e isso é meio estranho, sensação gostosa de levitar! amei...

    ResponderExcluir
  8. Um belo texto, Deia!
    Tem uma linda e harmoniosa forma de escrever..
    Adoro todos os que leio!

    (meu email hehe selva_porto@hot..) ;*

    ResponderExcluir
  9. gostei,
    bem bonito o texto.
    e diferente :D


    tava pensando aqui... pra combinar com o amar-go, seu nick deveria ser i-deia hahaha :P

    ResponderExcluir
  10. Ah deinha! Não excluí, mas, desativei o meu orkut. Só minha irmã tem a senha. Eu não quero sabê-la! Enfim, o 'Há uma pétala...' ficará sem postagens (temo que seja por um longo tempo).
    Enfim, quando quiser falar comigo, taina_jc@hotmail.com

    Espero que fiquemos bem, o mais breve possível.
    Escritora :*

    P.S.: essa conta é do orkut do meu grupo da igreja. Quando pegar meu msn, me avisa que excluo esse recado, ok?

    ResponderExcluir
  11. Muito obrigada pela visita e comentário no blog, Deia :) Gostei muito da maneira que tu escreve, até me identifiquei um pouco com esse apego aos detalhes, esse cuidado com as palavras. Já estou seguindo!

    besos

    ResponderExcluir
  12. oiii gostei do teu blog, estou seguindo visite-me e se gostar siga tbm bjsss

    ResponderExcluir
  13. Eles estão mortos? Só consegui pensar nisso.

    ResponderExcluir

"Venha quando quiser: – Tem espaço na casa e no coração."